Campal de Morobá – 07 a 08/10/2016

#campaldemoroba @campaldemoroba @odailson @cintiaalves2 Maranata, O Senhor logo vem! 🙌🙏👏

Um vídeo publicado por _.THOM._ (@thiagothompelissari) em Out 8, 2016 às 10:24 PDT

 

Olá queridos, gostaria de compartilhar algumas anotações que fiz na última Campal de Morobá. As anotações são retiradas do sermão do Pr. Odailson Fonseca da TV Novo Tempo. Ele é apresentador do Programa Código Aberto e esteve conosco durantes estes 3 dias de Campal.

Pra você que não conhece o termo Campal, no Dicionário a palavra Campal significa ser algo que se realiza no campo ou em lugar amplo e aberto. É exatamente isso que acontece.

A Igreja Adventista do Sétimo Dia sempre faz estes programas por todo o Brasil e aqui no Espírito Santo não é diferente. Temos duas Campal’s, uma na cidade de São Domingos do Norte no distrito de Morobá (por isso o nome de Campal de Morobá) e outra em Laranja da Terra cojo nome é Campal de Ribeirão.

Vou me ater as anotações e caso você tenha mais dúvidas de como vir ou se deseja visitar alguma campal próximo a sua casa, entre em contato que eu vou tentar te ajudar.

Anotações sobre o Sermão:

Mateus 7:28-29 – Jesus falava com autoridade e não como doutor da lei. Um homem simples que falava de maneira extraordinária… Como assim!?!? Jesus!?!? Sim, o filho do carpinteiro. Ele falava com autoridade, porque falava daquilo que Ele conhecia na essência e de todo o coração. Não falava simplesmente por falar ou apenas para seguir protocolo, como faziam os doutores da lei daquele tempo e de hoje também.

Marcos 11 – Quem nós somos?
Assim como a figueira amaldiçoada, será que nos também merecemos um “funeral honesto”? Sim, um Funeral Honesto! Somos tão lindos por fora e com toda essa lindeza mostramos ao mundo o nosso brilho próprio, porém Jesus não está interessado na nossa lindeza e brilho próprio. Precisamos produzir bons frutos e deixar Cristo brilhar em nós. Pois por vezes nós parecemos o que não somos… Uma figueira sem figos.
Continuar lendo

Anúncios

Estamos de volta! \o/

Olá queridos amigos e amigas, fazia tempo que eu estava aposentado. E quando eu digo tempo eu quero dizer 5 anos rsrs.

Desculpe-me, mas tanta coisa aconteceu em minha vida que se eu for dizer para todos vocês eu certamente deveria escrever um livro.

Enfim, espero retornar com esse blog maravilhoso que eu era apaixonado, e confesso para vocês que depois de ler os posts que eu fazia eu fiquei emocionado.

Espero contribuir para o reavivamento espiritual de muitos e ser um canal de bênçãos para todos.

Deus seja louvado!

 

Perceba: o que realmente é importante?

Wallpaper Sábado

Olá, tudo bem? Hoje tenho uma coisa legal para dizer a vocês, e desde já, dou graças a Deus por estar dizendo isso.

Tenho observado meus picos de fé e cheguei a uma conclusão.

É melhor ter altos e baixos de fé do que não ter fé nenhuma, ou não ter fé em nada.

Sou muito agradecido ao meu Deus, que me deu os 10 Mandamentos, e com ele o Santo Sábado do Senhor, para que em um dia da semana, eu possa ter plena comunhão com ele.

Talvez durante os seis dias da semana, nós não damos o nosso melhor, talvez disponibilizamos mais tempo para nosso eu, ou para o nosso trabalho, ou quem sabe, disponibilizamos tempo de mais para o próximo e deixamos pouco tempo para nós mesmos. Mas o melhor de tudo é estar pelo menos um dia inteiro com Deus, o Sábado.

Não gostaria de ter um dia ocioso, ou parado, mas um dia com atividades que refletem a vontade de Deus em nossa vida.

É diferente de qualquer outro dia, quando no sábado entregamos nossos afazeres, atividades, pensamentos e tudo mais a Deus. Porque percebemos um descanso mesmo quando estamos trabalhando na causa dEle. Não sei bem explicar, mas é algo muito bom e gratificante.

Antes de conhecer essa grande verdade sobre o sábado, eu nem ligava para o que eu fazia ou deixava de fazer no dia de sábado, mas depois de estudos e um reconhecimento, com sinceridade, da santidade do sábado, pude perceber que melhor é fazer a vontade de Deus e deixar que ela prevaleça na minha vida, do que fazer a minha vontade e continuar transgredindo a vontade de Deus me dá saúde, vida, trabalho, família, amigos e os prazeres dessa vida.

Portanto, devemos tomar cuidado quando o Eu toma conta de nós, porque quando ele toma conta, é como um vício, pois ele já nos domina e isso é extremamente perigoso.

No mais, o importante é fazer a vontade de Deus.

Encerro o meu post com um versículo muito conhecido, porém, te peço para analisar cada palavra e no contexto exato da mensagem.

Tenham todos uma vida abençoada no caminho do Senhor.

Mas buscai primeiramente o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.

Mateus 06:33

Eu não mereço, mas Deus me ama tanto, tanto!

36871489

Olá, tudo bem? Ando meio sumido do blog, porque tenho tido bastante trabalho para fazer, graças ao bom Deus. Mas vamos lá, porque hoje me veio algo bem interessante para dizer.

Durante o horário do meu almoço, resolvi ler alguns trechos da Lição da Escola Sabatina, e lá me dizia sobre Justiça Imputada, em outras palavras, a Justiça que Jesus nos deu, não atráves de nossas obras ou cumprimento da lei, mas que recebemos através do Amor de Deus para conosco.

Afinal, Jesus já havia proclamado que viria ao mundo e morreria por todos nós, e isso é totalmente aceitável, já que as profecias nunca erram.

Veja o que diz um trecho da Lição da Escola Sabatina do Segundo Trimestre de 2011.

“Paulo disse em Romanos 4:2 que, se Abraão tivesse sido justificado pelas obras, ele poderia ter se gloriado. Entretanto, Abraão creu em Deus e, portanto, foi considerado justo. Jesus nos convida a ir a Ele em fé simples, pecadores que somos, e Ele dará Seu manto de perfeição, a justiça perfeita que Ele alcançou enquanto e steve aqui, vivendo na carne. Isso é conhecido como “justiça imputada”, e é a única solução para o dilema descrito tão vividamente em Isaías 64 e Romanos 3.

Imagine assim: Jesus tira suas antigas roupas manchadas, seu trapo imundo, e o envolve com o manto de Sua justiça perfeita, Sua santidade perfeita, Seu registro perfeito de obediência à Lei. Ele o envolve e então sussurra ao seu ouvido: “Agora você é perfeito. Eu lhe dei minha perfeição. Por favor, use este manto, e não o afaste de você.”

Abraão aprendeu de Deus com seus pais, porém não foi através da tradição que ele se tornou o pai da Fé.

Ele foi o que foi, porque confiou em Deus e viveu uma vida inteira dedicada totalmente e exclusivamente a Deus, ou seja, cumprindo assim a verdadeira justiça imputada.

Portanto, observando este pequeno exemplo, precisamos ajoelhar constantemente aos pés do Pai, e buscar nEle este caráter puro e santo, que só pode ser obtido quando nos entregamos aos pés de nosso Salvador e Senhor, Jesus Cristo.

Que Deus nos abençoe e nos ajuda a subir cada degrau da nossa subida espiritual. Amém.

Insensato coração e insensata falta de cérebro…

manipulacao-midiatica

Gilberto Braga e a Rede Globo têm um assunto pronto para neutralizar sem debates, sem aporrinhações, a consciência do público: a história novelesca vai abordar a tão alardeada “homofobia”.

Eu não costumo ver novelas na TV. Na verdade, não costumo nem mesmo ver a TV. O nível da programação é tão baixo e a desinformação dos jornais televisivos é tão assustadora, que me contento em ler os jornais locais impressos ou a internet (e olha que os jornais locais não são melhores). As pessoas falam dos personagens estúpidos do Big Brother Brasil? Ignoro totalmente. Quando me deparo com a figura do “Grande Irmão”, sempre penso e tão somente em George Orwell e “1984″. Convém afirmar, uma verdadeira novela política, um clássico do século XX, que denuncia a destruição da privacidade e individualidade humana pelo totalitarismo, agora é usado justamente para promover a destruição da privacidade e da individualidade. O povo transforma as bisbilhotices da vida privada de alguém em cotidiano. Faz daquelas criaturas idiotas como cobaias do bizarro no falatório comum. Fulano fez sexo com outro, fulano é homossexual, sicrana é prostituta. O grotesco fascina. E as revistas de fofocas ganham horrores com os personagens criados pela cultura do bizarro. A privacidade, como um valor supremo da individualidade, deixa de existir.

Se não bastasse o festival de inutilidades para idiotizar a cabeça do povo, o Jornal Nacional é um show de mistificações deprimentes. A última falsificação do mês foi a tentativa de colocar a culpa nos conservadores americanos do grupo “Tea Party”, pelo atentado causado por um lunático no Arizona, que feriu uma deputada democrata e matou mais seis pessoas. A histeria recaiu sobre os republicanos da ativista “conservative” Sarah Palin, já que nos mapas apresentados para suas atividades políticas na internet, havia “alvos” desenhados nos estados americanos, dentre os quais, o do estado do Arizona, palco da tragédia. Os democratas e a esquerda americana estão ficando cada vez mais petistas na mentira. Exploram a tragédia de sua própria deputada em causa própria, sem o menor escrúpulo. No entanto, quando a polícia detectou um vídeo do YouTube gravado pelo atirador, descobriu que além do sujeito ser maluco, o mesmo declarava ter como livros de cabeceira algo evidentemente “conservador” , como o Manifesto Comunista de Karl Marx e Friedrich Engels e o Mein Kampf de Hitler. Alguém poderia revidar: – Mas Hitler não era direitista? Só no Brasil é que nacional-socialismo é considerado de direita, no sentido conservador do termo. Naturalmente pouca gente sabe que Hitler foi leitor entusiasta de Karl Marx e admirava os métodos de dominação de massa dos socialistas e bolchevistas, além de ter sido um apologeta do Estado total, dentro da cartilha marxista. Hitler nunca foi da direita conservadora, tal como Sarah Palin e os membros do “Tea Party”, defensores do livre mercado, do Estado mínimo, do individualismo político jamais foram nazistas. Óbvio que a Rede globo e muitos articulistas de esquerda escamotearam o “Manifesto Comunista” nas leituras do assassino. Mas quem disse que o Jornal Nacional serve pra esclarecer ao público? O noticiário da Rede Globo é o Pravda em escala tupiniquim. . .a voz oficial do governo, que é de esquerda!

Se a agendinha esquerdista e politicamente correta ficasse apenas nos jornais, já seria grave por si só. Porém, a TV não se contenta com noticiários. Quer é moldar comportamentos, gostos e crenças do público, de forma sutil, através das novelas e demais programações. Ao que parece, o PNDH-3 (Plano Nacional de Direitos Humanos), aquele calhamaço totalitário do PT assinado pelo ex-presidente Lula está sendo aplicado nelas.

A Rede Globo, no cúmulo da promoção da agendinha politicamente correta, apresenta a novela “Insensato Coração”, com um número recorde de personagens gays. De fato, o autor do folhetim, o Sr. Gilberto Braga, já nos previne, em reportagem na Revista Veja, que “não haverá beijo gay. As telespectadoras não estão preparadas”. Essa opinião reflete uma característica básica de degeneração moral, ética e psicológica da democracia. Os ativistas sociais não se prestam mais a discutir publicamente as idéias. Eles simplesmente impõem, através de sutilezas imperceptíveis e inconscientes, modos, crenças e costumes estranhos à própria população, através da educação, da mídia e do entretenimento. O povo não deve opinar ou refletir antes: primeiro, deve passar pela sabatina ideológica, para ser “doutrinado” a aceitar as idéias pernósticas das ONGs ou movimentos sociais, sem perceber que está sendo manipulado. Mesmo os chamados “debates” públicos sobre tais assuntos são jogos de cartas marcadas, cheios dos mais escandaloso unanimismo. Da campanha pró-aborto ao desarmamento até chegar à agenda cultural homossexual, o povo é entorpecido a aderir a concepções e modos que não acredita, através de uma insistência insidiosa de propaganda em massa. Na democracia entendida por eles, não vale a discordância, só a aceitação bovina. Enquanto isso, o outro lado que diverge é boicotado, perseguido e até criminalizado, sendo tal prática cópia fiel das velhas práticas stalinistas da União Soviética. “Preparação psicológica”, na cabeça de Gilberto Braga, significa entorpecimento moral, indiferença ou aceitação tácita da homossexualidade como algo “natural”, através da imposição lenta e indolor das cenas de uma novela. É claro que gente como ele teme a reação do público. Outras novelas já tiveram rejeição parecida ou até pior, quando outro folhetim teve que matar duas lésbicas, porque o telespectador médio respondeu profundamente mal à história.

Mas Gilberto Braga e a Rede Globo têm um assunto pronto para neutralizar sem debates, sem aporrinhações, a consciência do público: a história novelesca vai abordar a tão alardeada “homofobia”. Criará personagens que supostamente vão ser agredidos ou hostilizados por homofóbicos imaginários e a novela será uma encenação de um mundo gay kitsch, onde há homossexuais felizes e homofóbicos malvados. Tudo, claro, para favorecer uma legislação nascente que criminaliza a aversão à homossexualidade. Eu digo, “imaginários”, porque a histeria anti-homofóbica não sobrevive a uma análise séria da realidade. Os homossexuais no Brasil são muito respeitados. Há atores, músicos, poetas, estilistas, apresentadores, pintores, que jamais foram hostilizados por conta de sua homossexualidade. Pelo contrário, são até idolatrados, objetos de admiração e referência. E não pensemos que isso acomete aos famosos.

Já vi cidades inteiras do interior admiradoras de indivíduos homossexuais assumidos e que, inclusive, participavam de comemorações religiosas na Igreja Católica. Quando as famílias assistiam à passeata dos travestis no chamado Orgulho Gay, em São Paulo, carregavam o mesmo tipo de pensamento de velhinhas conservadoras que contemplavam os homossexuais no carnaval. O brasileiro médio, em geral, ama o pecador, mas odeia o pecado. Aceita os homossexuais, sem aceitar a homossexualidade. Constitui uma minoria bem insignificante as pessoas que odeiam realmente os homossexuais. E mesmo a maioria dessas pessoas odientas jamais agrediu ou matou um homossexual na vida. Grande parte dos assassinatos envolvendo gays é praticada pelos próprios, vide as brigas violentas com garotos de programa ou então a vida do submundo da prostituição. Isto porque há homicídios sem quaisquer motivações de ódio à vítima homossexual. Com todo esse histórico, a média de homossexuais perde, de longe, dos cálculos de mortos envolvendo heterossexuais em assassinatos.

Contudo, a militância homossexual não aceita tal rejeição. Quer a imposição compulsória de seus gostos e projetos políticos sobre a população, seja através da manipulação ou da intimidação. Quer leis especiais, privilégios, regalias, em nome da homossexualidade. Em nome da igualdade de direitos, os homossexuais fazem de si indivíduos distintos do resto, como se a sexualidade deles, em si mesma, demandasse direitos particulares. Os gays militantes podem reclamar da “discriminação sexual”, ao mesmo tempo em que exigem tal discriminação, seja no tratamento especial, nos direitos, nas atribuições. No Rio de Janeiro, os militantes que elogiavam a criação de uma delegacia exclusiva pra gays são os mesmos que reclamaram quando se criou um banheiro específico para eles. Lógica absurda e infantil de criancinhas mimadas.

O movimento homossexual é intelectualmente desonesto e fraudulento: o sentido da palavra “homofobia” é generalizado e dilatado para criminalizar a aversão à homossexualidade, quase do mesmo nível que o ódio violento contra gays. E em nome disso, eles exigem uma legislação que viola frontalmente a liberdade de expressão e de consciência, através de uma confusão propositada de termos e práticas. De fato, já criaram precedentes para isso, através da ação de juízes, promotores e advogados, que forjam jurisprudências e falsas analogias para uma tipificação penal que ainda não existe. E criminalizam quaisquer discordâncias ao seu modo virulento de ação política, seja na mídia, como na educação.

Um exemplo disso foi o que ocorreu no Piauí, no ano passado, quando um professor foi demitido de uma faculdade, acusado de homofobia. Fundamentalmente, seu texto não pregava ódio aos homossexuais e sim as incongruências da homossexualidade no direito de família. O mero fato de opinar algo que vai de encontro à agendinha politicamente correta gay fez com que o sujeito fosse criminalizado e difamado, sem ao menos existir lei para isso. Perdeu o emprego e foi estigmatizado. Não será espantoso quando a população cristã for criminalizada por ler a Bíblia. O livro sagrado também será acusado de “homofóbico”, tal como as opiniões do pobre professor.

A novelinha da Rede Globo quer nos convencer de que a crítica “homofóbica” deve ser censurada e os seus opinadores devem ir pra cadeia, ora porque são caretas, ora porque odeiam gays. Os militantes GLS querem inventar uma polícia política do pensamento sexual, vigiando idéias ou expressões contrárias. Como típicos puritanos fanáticos, querem policiar até ofensas e insultos jocosos aos homossexuais. Opinar contra eles é como matá-los.

As mulheres idiotas que assistem novelas estão dando ibope para um folhetim vagabundo cujo recado é censurar as crenças de seu próprio público. E não sou eu quem diz que esse público é idiota. O autor compartilha da minha mesmíssima opinião, quando afirma que “a telespectadora” (sic) não está preparada para suas idiossincrasias. Ele a trata como gado para declarar isso.

Gilberto Braga, o autor da novela, fez jus ao nome do folhetim que escreve: Insensato Coração. E por que não dizer, insensata cabeça? Pena que não é só a cabeça dele. A de seus telespectadores também. Opinião de sensato coração e sensata cabeça: desligue a TV, coloque os filhos pra dormir e mande a agendinha politicamente correta dos gays para o inferno!

Fonte: Mídia Sem Máscara

“Liberdade não é sinônimo de libertinagem…”

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Olá queridos, mais uma vez estamos aqui para mais um post e, desta vez vamos destacar um assunto importantíssimo. Através deste assunto, poderíamos iniciar várias outras discussões, mas vamos focalizar no principal motivo pelo qual o post recebe este título.

Em tempos de uma “liberdade” corrompida por atos e ações sem moral, encontramos um homem que mesmo ocupando uns dos mais altos níveis de poder de uma sociedade, mostrou que é possível ser coerente, sensível e inteligente a ponto de tomar a decisão certa, mesmo que isso possa deixa-lo com certos prejuízos.

Estamos falando de Steve Jobs, o co-fundador das empresas de informática Apple Inc e NeXT. Apesar de seu status social e de seu “poder” social, político e econômico, não se rendeu aos mais altos prazeres da Pornografia e por este motivo acabou comprando briga com alguns dos homens poderosos do setor.

Veja abaixo trechos do texto de Michel Borges, Jornalista e Colunista da Rede Novo Tempo de comunicações e do site Esperança.

O jornal britânico The Guardian noticiou: “Então, a insistente política de autocensura da Apple, para o novo IPad, tem deixado de fora muitas editoras de revistas.

Jobs reafirmou sua posição numa acalorada troca de e-mails com Ryan Tate, escritor do site Gawker.com, que acompanha notícias e fofocas no Vale do Silício e em outros lugares. Tate discordou do anúncio de televisão que chama o iPad de “revolução” e enviou um e-mail para Jobs: “Se Dylan [Bob Dylan, um dos músicos favoritos de Jobs] tivesse 20 anos hoje, como ele se sentiria sobre sua empresa? Ele acharia que o iPad teria a mínima coisa a ver com ‘revolução?’ Revoluções envolvem liberdade.

Jobs respondeu. “Sim, liberdade de programas que roubam seus dados. Liberdade de programas que destroem sua bateria. Liberdade da pornografia. Sim, liberdade. Os tempos estão mudando, e alguns caras do PC tradicional sentem como se seu mundo estivesse desaparecendo. Está.

Tate acusou Jobs de impor sua “moralidade” ao fazer com que a Apple proíba aplicativos pornográficos para o iPad. “Não quero ‘liberdade da pornografia’. A pornografia é simplesmente legal! Acho que minha esposa concordaria”, disparou de volta Tate – que mais tarde disse que lamentava ter mencionado a esposa. Jobs treplicou: “Você se importará mais com a pornografia quando tiver filhos. […] Estamos apenas fazendo o que podemos para tentar preservar a experiência de usuário que idealizamos. Você pode discordar de nós, mas nossos motivos são puros.

Em outra correspondência trocada com o cliente Matthew Browning, Jobs havia defendido a decisão da Apple de manter a pornografia fora de seus produtos: “Cremos que temos uma responsabilidade moral de manter a pornografia fora do iPhone. Quem quiser pornografia poderá comprar um Android”, disse ele, se referindo ao produto do competidor Google, que tem permitido aplicativos de armazenamento de pornografia para seu smartphone.

As decisões da Apple também são para aplicativos, pois por duas vezes a Apple se recusou a disponibilizar o aplicativo “Gay New York: 101 Can’t-Miss Places” (Nova Iorque Gay: 101 locais que você não pode perder), por incluir imagens obscenas e pornográficas.

Jobs está de parabéns por demonstrar coragem e disponibilidade para mostrar ao mundo que independente de sua posição social e econômica, o mais importante é mostrar que características de um caráter puro e reto são muito mais aceitos do que qualquer outro que torna “liberal” recursos ou ações que podem manchar o trabalho de toda uma vida.

Sua marca subiu ainda mais no meu conceito.

Na verdade, a atitude dele serve até mesmo de incentivo aos cristãos internautas para erigirem muros de proteção ao seu redor. Liberdade não é sinônimo de libertinagem e irresponsabilidade. A autocensura do cristão é o mais puro exercício da liberdade de quem escolhe não se submeter a vícios degradantes que rebaixam o ser humano e destroem famílias. E seu antivírus está em Filipenses 4:8, que diz:

“Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo,tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento.